7,6% dos adultos brasileiros possuem essa doença, mais da metade são mulheres

Segundo a Organização Mundial da Saúde, são 121 milhões de pessoas depressivas em todo o mundo. Essa é uma doença silenciosa que deixa marcas profundas e, muitas vezes de difícil recuperação.

O Brasil lidera o ranking quando se trata dos países em desenvolvimento. Segundo pesquisa realizada, 18% da população brasileira tem depressão há um ano. Segundo a psiquiatria, essa doença se confunde com tristeza e possui índices de mortalidade que ultrapassam os 30%.

Um dado interessante é que a cada homem, duas mulheres sofrem de depressão. Com os primeiros sintomas aos 15 anos, o sexo feminino está mais propenso à doença. Alguns especialistas alegam que as mulheres se cuidam mais, indo mais à consulta de rotina, portanto não sendo descobertos mais casos nos homens.

O grande problema na detecção do sexo masculino é a cultura imposta pela sociedade. Onde a criança se desenvolve nos conceitos tendenciosos do uso de bebidas e drogas como forma de enfrentar os problemas.

Situações que fazer as mulheres entrar em depressão com mais facilidade:

  • Gravidez – a depressão durante e pós-parto  está diretamente ligada ao processo emocional desta fase da mulher, onde ela pode sentir solidão ou não ter nenhum apoio familiar. Assim como os medos da maternidade, baixo nível econômico, antecedentes de abortos e histórias de partos problematizados.

Medo da maternidade e baixo nível econômico são fatores que desencadeiam a depressão

  • Menstruação – as mudanças dos hormônios que ocorrem todos os meses fazem as oscilações de humor e a vulnerabilidade desencadeie a doença. Cada mulher possui um organismo e intensidade diferente. É preciso estar atenta.

Uso de hormônios também facilita o desenvolvimento da doença

  • Menopausa – esse é período da vida da mulher que tem 2x maior chance de desenvolver a depressão.

Esse período tem 2x mais chances da mulher ter depressão

  • Sociedade – O excesso de trabalho (profissional/pessoal) exige muito do psicológico de uma mulher. Além dela mesma se cobrar a conciliação dos afazeres domésticos, maternidade, esposa e trabalho, a sociedade impões tais responsabilidades.
  • Estética – Os padrões de beleza também interferem diretamente na saúde mental de uma mulher.

Os padrões de beleza interferem diretamente na saúde mental

  • Violência sexual – Aquelas que já sofreram os vários tipos de abusos existem possui maiores chances de ficarem depressivas ao longo da vida.

Violência doméstica é um assunto sério que desencadeia a doença

  • Desigualdade social entre os sexos – Só pelo fato de ser do sexo masculino, as mulheres ainda enfrentam muito preconceito no mercado de trabalho. Isso também desencadeia a depressão.

A família é um grande agente na hora da detecção e tratamento da depressão. É preciso ter paciência e compreensão. Sem julgamentos é uma doença onde a paciente deve ser respeitada. Tudo ao tempo da pessoa.


Publicidade