Brasileiros tem menor chances de câncer graças ao 5º alimento mais consumido.

5ª maior consumidor de salmão no mundo, o Brasil importa cerca de 70 mil toneladas de peixes ao ano. Segundo o Ministério da Pesca, o consumo de peixes no país cresce 34% anualmente.

Popularizado pela onda da alimentação saudável, este mercado ganhou impulso com a inclusão de pescados na Cesta Básica e isenção fiscal na comercialização.

Sinal que a saúde do brasileiro pode estar melhor, afinal o salmão pode fornecer 200 calorias em 100 gramas consumidos. Além de proteínas, gorduras saturadas, possui ômega-3, ácido graxo, vitaminas: A, B6, B12, C e D, além de conter importantes quantidades de minerais como:

  • Ferro,
  • Potássio,
  • Sódio,
  • Cálcio e
  • Magnésio.

Por tanto o salmão é um grande aliado do coração, combatendo o colesterol “ruim” e produzindo colesterol “bom”. Ao consumir salmão, seu aparelho cardiovascular agradece!

Salmão é grande aliado do coração combatendo o colesterol ruim

Suas ricas doses de Ômega-3 e nutrientes melhoram as funções cognitivas, mantêm o cérebro ativo e eficiente, combatendo o stress, a depressão e até mesmo doenças como Alzheimer e Parkinson.

Pesquisas indicam o salmão como forte inibidor de células cancerígenas, reduzindo, em especial, possibilidades de câncer de mama, próstata e do reto.

Também previne o envelhecimento precoce, ajudando a evitar o processo de oxidação e inibe a ação dos radicais livres maléficos à saúde corporal, da pele e aos músculos.

Porém, o Instituto da Pesca destaca cuidados na conservação e consumo do salmão cru. Números da Vigilância Sanitária e Epidemiológica de São Paulo destacam que geralmente contaminações pela ingestão de salmão cru se dão pelo consumo caseiro, não em estabelecimentos comerciais.

Salmão cru não deve ficar fora da geladeira por muito tempo

Não se deve manter salmão fora da geladeira por muito tempo. Indica-se conservar salmão abaixo de -20°C por sete dias, antes de consumir.

Doenças causadas pelo consumo de salmão cru manifestam-se através de:

  • Diarreias,
  • Vômitos,
  • Desconfortos abdominais e
  • Perda de peso.

As infecções podem ocasionar na obstrução intestinal. Acredita-se que a causa da ocorrência de parasitas, como o Diphyllobothri spp, esteja na alimentação dos peixes, nas rações mais utilizadas.

O aparecimento da larva da “doença do peixe cru” também se dá pela excessiva ingestão de salmão mal cozido ou defumado. Ao consumir salmão cru, modere!

Aproveite o seu sabor e seus diversos benefícios.


Publicidade